Frio Pet

Cachorro com frio? Veja cuidados necessários no inverno

Vocês acham que os pets sentem frio?

Sim, nosso mascote sente frio assim como nós humanos, mas não da mesma forma que a gente.

Essa queda de temperatura e ventos congelantes, além do desconforto inicial, pode trazer consequências de diferentes intensidades para a saúde dele. Uma das principais é o resfriado, que tem sintomas parecidos com o dos humanos, como espirros, secreções do focinho e dos olhos e indisposição.

Hipotermia e baixa imunidade também são consequências da baixa temperatura e a porta de entrada para uma série de outros problemas, como infecções causadas por vírus e bactérias.

Animais com mais pelos e maior nível de gordura são os que menos sentem frio, já que a pelagem densa e a gordura corporal ajudam a controlar o calor do corpo.

Isso significa também que cachorros pequenos ou com pouca pelagem são os que mais sofrem com o frio e, portanto, nessa época do ano, devem receber alguns cuidados extras.

Entre as raças de cachorro que mais sentem frio podemos citar: Chihuahua, Pinscher, Greyhound, Boxer, Boston Terrier e Fox Paulistinha (Terrier Brasileiro).

Mas, como perceber se o cachorro esta com frio?

Alguns sinais corporais e comportamentais podem indicar que o nosso amigo está com dificuldades em se manter aquecido. Confira a nossa lista de situações:

Tremedeira

Deitar enrolado

Procurar ficar em cima de tapetes

Ficar mais “entocado” nos cantinhos da casa

É possível também verificar a temperatura do pet, tocando na orelha, focinho e patas: se estiverem geladas, é sinal de que o mascote está passando frio.

Por isso, vale sim ter alguns cuidados extras no inverno e nos dias de baixa temperatura. Confira algumas dicas importantes para manter seu pet aquecido e fora de perigo.

Abrigo: se o cão fica fora de casa, invista em uma casinha, deixando-a num local protegido do vento e do tempo; coloque cobertor dentro e até uma caminha.

Roupinhas, cobertores e mantas: coloque uma roupinha confortável, que não aperte as axilas e o pescoço. Cobertores e mantas são muito bem-vindos na “toca” do mascote.

Caminha: procure deixar a caminha sem contato direto com o chão – coloque um tapete ou papelão em baixo.

Passeios: priorize os horários menos frios; evite andar quando está vento forte; se a temperatura estiver muito baixa, coloque roupinha no seu cão.

Menos banho: reduza a frequência dos banhos durante o inverno; e, quando for dar banho, faça-o durante o dia, quando a temperatura está mais elevada.

Menos tosa: para os cães cuja pelagem cresce demais, recomenda-se fazer apenas a tosa higiênica – afinal, os pelos ajudam a controlar a temperatura corporal.

Vamos aquecer nosso mascote ?!