001

Saiba qual ração é mais indicada para alimentação correta dos cães

Quando falamos em alimentação animal, a disputa entre a ração caseira e a industrializada gera polêmica e divide opiniões entre os profissionais. Esta semana, vamos falar sobre a alimentação saudável para os cachorros, que precisam de diferentes nutrientes em cada fase da vida. Portanto, sua comida deve acompanhar o seu crescimento, sendo ela natural ou não.

No caso de todos os animais, a ração caseira deve ser indicada e supervisionada por um veterinário especializado em nutrição, que vai determinar quais são os ingredientes necessários. No caso específico dos cães, a polêmica encontra um meio termo na opinião do veterinário Eduardo Ribeiro Filetti. “Se os donos estão dando uma ração premium ou super premium para os animais, as proteínas são bem vindas na complementação da dieta. Um pouco de carne e frango… Mas, se a adição for de carboidratos, como arroz e batata, e legumes, os donos estarão desbalanceando a dieta”, explica.

Essa é uma boa forma de intercalar os dois tipos de alimentação e garantir a saúde do seu bichinho. Mas, se você escolhe alimentar o seu cão somente de forma natural, saiba que miolos de pão e restos de comida não podem constar no cardápio. “A refeição correta de um cachorro é composta por 80% de proteína, como a carne; 10% de carboidrato, que pode ser um arroz integral; e 10% de legumes e verduras. Os restos de comida não possuem nutriente algum”, o veterinário avisa.

Como falamos na introdução desse artigo, cada fase da vida dos cachorros pede cuidados com a alimentação, priorizando alguns nutrientes. Para filhotes e senis, por exemplo, é necessária uma dieta com mais cálcio do que para um cão adulto. Mas, os filhotes precisam de minerais diferentes dos senis, ao passo que o cão adulto precisa muito mais de proteínas. E mesmo quando os donos conhecem essas informações, há um detalhe importante ao fazer a ração caseira dos pets que às vezes é esquecido. O tempero.

Para Filetti, os cachorros de antigamente comiam a mesma comida dos donos e viviam muito tempo porque eram animais sem raça definida, com imunidade alta. Atualmente, uma grande parcela das famílias busca cachorros com raça definida e esquece de adaptar esses cuidados. Sal, óleo e outros temperos que usamos constantemente na cozinha fazem muito mal para os cães.

Apesar de concordar com o complemento caseiro, o veterinário ainda defende o uso exclusivo da ração, e fundamenta. “O uso de uma ração premium ou super premium promove maior qualidade de vida para os cachorros, porque há uma dieta balanceada para cada raça e fase da vida do animal”. Ele alerta ainda para a importância de colocar regras na alimentação dos dogs. “O cachorro precisa de regras como um ser humano, então deve ter horários para comer. E cada fase da vida pede uma quantidade diferente de refeições ao longo do dia, sendo mais vezes quando é filhote e menos vezes quando é senil. Os horários são importantes para que o animal, caso desenvolva algum problema neurológico na velhice, continue se alimentando, e também para que os donos consigam perceber quando o cachorro estiver doente. Um dos primeiros sinais costuma ser a alimentação”, comenta.

E quando sobra ração no potinho? “O saco da ração é como um saco de bolachas. Se abrir, precisa fechar corretamente, porque ela amolece. Não é certo reaproveitar a ração que sobra. Se for caseira, o dono até pode armazenar em um refratário e colocar novamente na próxima refeição do cachorro, mas recomendo sempre a doação para animais de rua ou de abrigos, não importa se é ração caseira ou industrializada. Sobrou, pode doar”, indica o profissional.

Siga essas dicas para cuidar melhor da alimentação do seu melhor amigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *